21/04/17 07h26 - Juiz inocenta médica acusada de matar pacientes em UTI de hospital do Paraná             ¤             21/04/17 06h55 - Mistão do Grêmio e Botafogo arrancam empate fora de casa             ¤             21/04/17 06h40 - Homem é preso com maconha pronta para comercialização em Guaíra             ¤             21/04/17 06h34 - Vanessa Wommer é eleita primeira presidente da história da ACJC             ¤             21/04/17 06h20 - Família morre em acidente na BR 163             ¤            
ATLNTIDA FM

Juiz inocenta médica acusada de matar pacientes em UTI de hospital do Paraná

21/04/17 07h26 | Justiça

A- | A+

O juiz Daniel Surdi Avellar, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, decidiu inocentar a médica Virgínia Soares de Souza e outras sete pessoas acusadas de antecipar a morte de pacientes que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Evangélico, na capital paranaense.


O caso veio à tona em 2013, quando a polícia prendeu Virgínia e outros funcionários da UTI, subordinados à médica.


Eles foram acusados pela morte de oito pacientes.


De acordo com a denúncia, eles teriam usado técnicas médicas para que oito pacientes viessem a óbito, com o objetivo de liberar leitos na unidade.


Na decisão, Avellar considerou que as provas apresentadas pelo Ministério Público causavam dúvidas quanto a existência dos crimes apontados pelos promotores.


Com a decisão, os oito acusados não devem ir a Júri Popular, conforme desejava o Ministério Público.


Em nota, o advogado de Virgínia, Elias Mattar Assad disse que a cliente foi injustamente presa, acusada de práticas criminosas e linchada moralmente.


"Ficou provado que a médica apenas praticou atos com justificativas em literaturas médicas e objetivos de salvar vidas de pacientes críticos", afirmou o advogado.


 


O Ministério Público do Paraná informou que vai recorrer da decisão de Avellar.


 


(Rádio Educadora/Com Inf. G1)

Compartilhe

voltar